Viver bem, viver melhor!

Reciclando pensamentos e emoções

Já parou pra pensar em quanto lixo a gente vai acumulando cada vez que deixa uma relação mal resolvida, um sentimento reprimido ou aquele ressentimento guardado? Se sua resposta for "não", está na hora de pensar um pouco mais sobre o assunto, afinal, questões mal resolvidas podem trazer prejuízos sérios à mente e ao corpo.

A reciclagem do lixo já faz parte do cotidiano das pessoas. As crianças aprendem na escola e os adultos fazem em casa e no trabalho. Se você recicla seu lixo, muito bem, continue cuidando do mundo exterior. Mas será que é só esse lixo que precisamos reciclar? E o nosso mundo interior?

É natural que, no dia-a-dia, tenhamos todos os tipos de pensamentos, emoções e sentimentos. O que não é natural é o apego que desenvolvemos em relação a eles. Como algumas pessoas que, só de lembrar, conseguem reviver aquela raiva que sentiram 10 anos antes. Ou outras que guardam mágoas e ressentimentos para sempre. Lembram de tudo, nos mínimos detalhes. E a pilha de lixo vai crescendo.

Precisamos colocar esse lixo para fora, porque cada um desses sentimentos negativos, nada mais é do que uma perturbação da mente, uma forma de estresse. E para nos livrarmos desse lixo, o primeiro passo é identificar e reconhecer o que estamos sentindo. Só então poderemos transformar esse sentimento em algo positivo, focando no seu oposto, ou simplesmente vivendo no momento presente, como fazem as crianças que num momento estão chorando e dali a pouco já estão as gargalhadas, nem se lembram o que aconteceu, não se prendem ao que já passou.

O mais importante é não nos apegarmos. O estresse é importante em alguns momentos, é ele que nos move rapidamente, dá aquela acelerada, mas ele não deve durar mais do que aquele momento e se prolongar indefinidamente. Para cada momento estressante deve haver um momento de relaxamento de mesma intensidade, exatamente como na Lei de Ação e Reação de Newton.

Então comece hoje mesmo a colocar essas dicas em prática: para cada situação desconfortável que eventualmente possa aparecer, quer seja uma discussão, preocupação ou algo do tipo, "recompense-se" com momentos em que possa fazer algo que lhe dá prazer, quer seja um relaxamento, ou ouvir uma boa música, fazer um passeio, ou simplesmente voltar seus pensamentos para coisas que lhe agradam. Você vai se surpreender com a sensação de bem-estar que terá, e ainda vai ajudar a manter a saúde do corpo e da alma.

Fonte: http://relaxandonarede.blogspot.com/


10 passos para uma alimentação mais natural

É interessante perceber como as coisas mudam... Há uns anos atrás, todo mundo achava que alimentação natural era só "coisa de gente natureba", que ela não era lá tão importante assim. Totalmente diferente do que já é comprovado hoje: alimentos mais frescos, mais próximos da natureza, além de serem bem gostosos, só trazem vantagens: ajudam a prevenir doenças crônicas como as do coração, problemas respiratórios, certos tipos de câncer, além de ajudarem a manter o corpo em um peso naturalmente equilibrado.

Mas muita gente ainda reclama por achar que é muito difícil melhorar os hábitos e deixar o cardápio do dia-a-dia mais natural. Ledo engano. É muito mais fácil do que se pensa. E pra ajudar nessa missão, escolhemos algumas dicas básicas e superfáceis de seguir para melhorar sua alimentação:

1- Quanto mais natural e integral, melhor

Comer nem sempre é sinônimo de nutrir o corpo. Para nutrir, é preciso ter uma alimentação de qualidade, com nutrientes que fazem o corpo funcionar. E nisso os alimentos naturais integrais são campeões!
Menos processados e sem aditivos artificiais (como corantes, conservadores, espessantes e aromatizantes artificiais), eles estão repletos de fibras, vitaminas, minerais e outros nutrientes. Isso porque não perderam as suas principais partes durante a produção, ao contrário do que acontece com os produtos refinados. É como o caso do arroz integral, por exemplo, que preserva o farelo e o gérmen do grão (onde estão os principais nutrientes), que são exatamente a s partes retiradas do arroz branco. O mesmo acontece com os biscoitos e massas integrais: feitos com farinha integral, que preserva os benefícios do grão, são muito mais saudáveis do que as versões refinadas, feitas com farinha branca. E agora vem a dica: prefira os alimentos naturais e integrais (como arroz integral, o feijão, as massas e biscoitos/cookies integrais, além de frutas, verduras e legumes). Evite os refinados, feitos com farinha branca (como biscoitos e massas refinadas, pães brancos etc), arroz branco e doces à base de açúcar (prefira à base de frutas).

2- Prefira as boas fontes de proteínas

Ninguém vive bem sem proteínas. Elas ajudam a formar e a manter nossos músculos, pele, cabelos, e tem uma participação importantíssima no nosso sistema de defesa. Mas não basta procurar alimentos ricos em proteínas, é preciso saber se essas proteínas têm boa qualidade. Proteínas de origem vegetal, por exemplo, tendem a ser de mais fácil digestão, e com isso nosso organismo consegue aproveitá-las bem (não desmerecendo as proteínas de origem animal, como o ovo, por exemplo, que é bem nutritivo). Quinua, tofu (queijo de soja), leguminosas (feijão, grão de bico, ervilha), levedo de cerveja podem ser ótimas sugestões.

3- Gorduras saudáveis: uma escolha inteligente

Foi-se o tempo em que todo mundo achava que alimentos com gorduras faziam mal à saúde. A verdade é que isso depende muito mais da qualidade dessas gorduras. E pra isso, pode contar com as insaturadas! Encontradas no azeite extra-virgem, nas castanhas, nozes e amêndoas e no óleo de linhaça, elas ajudam a manter a saúde do coração e até mesmo a prevenir o acúmulo de gordura na região da barriga. Sem contar que é uma delícia saborear uma saladinha com azeite extra-virgem, ou mesmo fazer um lanche à tarde com uma mistura de castanhas, nozes e frutas secas.

E dessa vez o sinal vermelho vai para as gorduras trans, presentes em alguns produtos industrializados (biscoitos e bolinhos recheados, sorvetes, entre outros). Elas aumentam o risco de problemas cardiovasculares. Pra não cair nessa, confira sempre a tabela nutricional das embalagens.
Gorduras saturadas em excesso também não são nada boas; elas estão nas carnes gordurosas, aves com pele, nos leites integrais e seus derivados como queijos amarelos, requeijões etc.

4- Desconfie dos Diets/Lights/Zero

.

"Nem tudo o que reluz é ouro". Talvez esse seja o melhor ditado pra tocar nesse assunto. Hoje em dia as pessoas buscam tanto os produtos "sem açúcar", "com menos calorias", "0% de gorduras", que eles estão ocupando cada vez mais espaço nas prateleiras dos mercados. Mas o que muita gente esquece é que, mais importante do que olhar o que o produto "não contém", é saber direitinho o que foi colocado para substituir esse ingrediente/nutriente.
E agora a gente reforça aquele alerta: leia o rótulo dos alimentos antes de levá-los pra casa, evite os que trazem muitos aditivos artificiais na lista de ingredientes (como os corantes artificiais, conservadores, espessantes, aromas artificias ou idênticos aos naturais, edulcorantes, realçadores de sabor como o glutamato monossódico). Quanto mais naturais e menos processados, melhor.

5- Sódio sem passar dos limites

Quase todo mundo sabe que o excesso de sódio pode aumentar a pressão arterial, mas esse não é o único problema. Ele também pode causar doenças no coração, aumentar os hormônios do estresse e até mesmo fazer o ponteiro da balança subir (por ajudar a causar inchaço). Por isso, fique de olho para não exagerar no sal de cozinha (máximo 2g por dia, equivalente a 1 colher de chá, tanto para o sal refinado quanto para o "marinho"), sem se esquecer de que o sódio também está presente em produtos artificiais como molhos industrializados, salgadinhos tipo snacks, macarrões instantâneos convencionais, adoçantes à base de sacarina sódica ou ciclamato de sódio e outros. Prefira temperos naturais e os alimentos frescos sem aditivos artificiais.

6- Farte-se de água!

Taí um bem precioso, e que muita gente ainda não valoriza. Para que não seja esse o seu caso também, a dica é: tenha sempre uma garrafinha (de preferência, que não seja de plástico) cheia de água do seu lado. Assim fica fácil de lembrar de tomar pelo menos 2 litros dela por dia. E se quiser, pode incluir nessa contagem um pouco de chá ou suco natural.

7- Orgânicos: mais do que moda, um carinho especial com a saúde

Cada vez mais presentes no mercado, os alimentos orgânicos são produzidos de um jeito bem especial: sem agrotóxicos, eles concentram mais nutrientes e muito mais sabor, além de serem cultivados com responsabilidade sócio-ambiental.
Os orgânicos fazem um bem enorme para a nossa saúde. E agora é a hora de lembrar que o Brasil está entre os campeões mundiais no uso de agrotóxicos, e o pior é que a maioria dessas substâncias pode causar desde pequenas alterações hormonais, até câncer.
Então, sempre que puder, coloque os orgânicos na sua lista de compras. Procure se informar se há feiras de produtos orgânicos perto da sua casa e procure-os nos mercados. Vale a pena investir um pouco mais de tempo (e de dinheiro) nessa procura; o resultado será mais vigor e equilíbrio para o seu corpo.

8- Bom senso em cada garfada

Moderação é a chave do negócio! Afinal, ter uma alimentação mais natural não dá o direito de passar dos limites na quantidade. É importante ficar de olho nisso e procurar comer o suficiente para saciar a fome apenas. Excessos nunca fazem bem.
E por falar em moderação e bom senso, vale lembrar que ninguém precisa viver o resto da vida sem nunca mais colocar na boca nenhuma guloseima ou qualquer outro alimento que não seja lá muito saudável. O importante é não fazer disso uma regra, mas sim uma exceção, para momentos especiais como festas ou um final de semana especial, por exemplo.

9- Mais atenção aos sinais do corpo

Aquela queimaçãozinha no estômago depois de um almoço "pesado", uma baita dor de cabeça depois de comer algo que "não caiu muito bem", ou mesmo uma prisão de ventre que já dura dias... esses podem ser alguns dos sinais que o nosso corpo dá quando não aceita bem determinado alimento. Pode ser um pedido para parar de comê-lo (isso se não for algum outro problema de saúde que mereça tratamento com nutricionista ou médico). Mas o detalhe é que se ignorarmos estes sinais, pode ser que o organismo "desista" de manifestá-los. E quem paga por isso é a saúde porque fica maior o risco de problemas sérios como enxaqueca, úlcera, doenças dos ossos, obesidade etc.
Fique de olho nas reações do organismo ao comer cada alimento e, se necessário, evite aqueles que você percebe que, de alguma forma, não costumam "cair muito bem".

10- É hora de comer!

Já conheceu alguém que vive na correria do trabalho o tempo todo e que chega até a esquecer de comer? Parece absurdo, mas infelizmente isso é cada vez mais comum. E o pior é que essas pessoas não fazem nem idéia de que estão colocando o organismo numa situação péssima de estresse e pode ser que logo, logo sua saúde comece a pedir socorro.
Ficar sem comer nada por muitas horas, além de estressar o corpo, pode fazer com que ele diminua o ritmo do metabolismo e acumule mais gordurinhas como garantia de reserva de energia. Comer a cada 3 horas é essencial.

Viu só como dá pra ser mais saudável sem grandes sacrifícios? Basta determinação e vontade de viver melhor. Esperamos que as dicas tenham te animado para começar a dar esses passos agora mesmo. Você fará um grande bem ao seu corpo e à sua saúde.



Dicas naturais anti-estresse

"To estressado!" Quem nunca ouviu ou nunca falou essa frase? Principalmente pra quem mora nas grandes cidades, essa frase já ta virando dito popular. Ansiedade, irritação sem motivo, insônia, falta de ar, coração disparado, cansaço mental... tudo isso junto com um monte de obrigações, "pressões" e responsabilidades sociais que fazem com que a pessoa estressada se sinta sufocada e incapaz de fazer tudo o que precisa.

É claro que para acabar com o estresse, temos que considerar um monte de fatores diferentes, e um deles é a alimentação, afinal é por ela que o corpo produz as substâncias certas para nos dar aquela tão desejada sensação de bem-estar e de relaxamento. Por isso, escolhemos 10 dicas de alimentação natural e bem-estar para ajudar a mandar o estresse* pra bem longe.

1 - quanto mais integrais, melhor – isso porque do contrário, os produtos refinados (como pães, bolos, biscoitos e massas feitos com farinha branca, além dos doces feitos com muito açúcar), costumam ser pobres em nutrientes e fibras, fazendo com que a glicose do sangue aumente muito rápido e despenque logo depois. Esse sobe-e-desce nos níveis de açúcar do sangue (glicemia) estressa o organismo e pode causar diabetes. Com os alimentos integrais acontece exatamente o contrário: cheios de nutrientes e fibras, eles dão energia, melhoram a disposição e previnem o estresse;

2 - ômega-3: a favor do bom humor e da noite tranqüila - alimentos ricos em ômega-3 como a linhaça ajudam (e muito!) na produção das substâncias que melhoram o humor e ajudam dormir bem;

3 - chás bons para desacelerar – invista na camomila, erva doce, capim cidreira, melissa e nas folhas de maracujá;

4 - cuidado com bebidas estimulantes – se estiver se sentindo estressado, evite café, chá preto, guaraná natural e refrigerantes à base de cola. Prefira sucos de frutas naturais e água mineral, além dos chás calmantes;

5 - manere no sódio – ele está no sal de cozinha e pode aparecer em grandes quantidades em produtos como salgadinhos e macarrões instantâneos convencionais, molhos e caldos artificiais. O sódio é um dos culpados por disparar muito cortisol** ("hormônio do estresse") no nosso corpo. Por isso, prefira as ervas naturais para tempero e coloque pouco sal nos alimentos (o ideal é consumir em um dia mais ou menos 1 colher de chá de sal de cozinha, de preferência, do tipo sal moído);

6 – tranquilidade na hora de comer – como a mamãe já dizia, "hora de comer é hora sagrada!". Ela estava coberta de razão. Se tem um momento do dia em que realmente temos que estar tranqüilos e livres de preocupação, é na hora da refeição. Se não for assim, a digestão não vai acontecer do jeito certo, e isso vai virar um prato cheio para disparar o tal do "hormônio do estresse";

7 - adote um bichinho de estimação – hoje já está mais que provado que ter um animalzinho de estimação em casa faz um bem enorme e dá aquela força no tratamento do estresse e da depressão. Se gostar da ideia, você pode garantir o seu e fazer uma boa ação ao mesmo tempo: a dica é procurar ONGs na sua cidade que cuidam da adoção de cães e gatos de rua;

8 - respire fuuuundo – é assim que você ajuda a levar mais oxigênio para todas as células do corpo, e de quebra, ainda ganha uma sensação de calma ótima para colocar as emoções e os pensamentos no lugar;

.

9 - mexa o corpo, relaxe a mente – se uma coisa que ninguém discute é que a atividade física com orientação profissional faz um bem enorme. Pro corpo e pra alma. Pro corpo porque dá uma força na hora dele produzir aquele monte de substâncias que fazem a gente se sentir bem. E pra alma porque, se for feita com prazer, ala vai ajudar muito a "esfriar a cabeça", a lidar melhor com as emoções e com o estresse. Mas se você não é lá muito fã de academia ou coisa parecida, use a criatividade: reúna os amigos para um futebol ou um vôlei, leve o cachorro para passear, dê uma caminhada no parque ouvindo uma boa música ou pegue a bicicleta para dar uma volta pelo bairro. O que vale é não ficar parado;

.

10 - lazer é preciso – ele é praticamente uma "obrigação" de tão importante. Os momentos de lazer são essenciais para "recarregar as energias" e evitar o estresse. E nem precisa ir muito longe se não der: chame os amigos em casa de vez em quando, vá ao cinema, leia um bom livro, ouça boas músicas, programe um fim de semana diferente e gostoso... Ou mais simples ainda: reserve uns minutinhos para ficar "a sós com você" todos os dias, só relaxando e pensando em coisas boas. Parece pouco, mas nosso corpo precisa muito desse intervalo entre uma responsabilidade e outra para poder "se desligar", renovar os ânimos e seguir bem, sem estresses.

. * Aqui vale uma observação: o "estresse" popularmente conhecido é diferente do estresse verdadeiro. Estresse ao pé da letra é o estado em que o homem e os animais ficam em situações de perigo e que provocam reações de defesa ou ataque, quer seja correndo, partindo para uma briga, buscando socorro etc. Existem vários graus de estresse, inclusive o estresse crônico, que é esse que comentamos no texto.

** o cortisol é um hormônio importantíssimo para várias funções do corpo. Nas situações de estresse, o organismo produz quantidades bem grandes dele, para nos colocar em estado de alerta (isso pode fazer com que a respiração mais rápida e o coração acelerado, entre outros sinais).